fbpx

Aprender a como controlar o estoque hospitalar é a melhor opção para resolver um dos problemas mais comuns nesse ambiente. Se trata de olhar os estoques em questão e entender a importância que esse fato tem.

O controle não pode ser visto sob visão de ser secundária, pois o foco principal é otimizar o uso interno. Bem como, é preciso que exista atenção nisso e a ideia de fornecer padronização, melhorando cada processo inerente a isso.

O texto tem a proposta de mostrar como controlar o estoque hospitalar da sua clínica médica sem precisar investir muito. Dessa forma, fica mais simples de aplicar e melhorar os resultados internos da instituição hospitalar.

Como é possível controlar o estoque hospitalar independente do tamanho da clínica médica?

Quando alguém pensa em controlar o estoque, é muito frequente que exista uma dúvida: é aplicável em qualquer instituição hospitalar? A resposta é bem simples: sim, mas depende da utilização e da meta que existe para isso.

Para conseguir a atitude correta e controlar o estoque hospitalar, é preciso prestar atenção em cinco dicas essenciais. Sendo assim, veja abaixo o que fazer para que os seus estoques fiquem conforme o planejado no início.

1- Padronize o cadastro dos insumos inerentes a clínica médica

Em primeiro lugar, a dica principal é ter um planejamento eficaz e um detalhe: de nada adianta pensar apenas na logística dos suprimentos. É crucial padronizar cada solicitações e que depende das patologias, certo!?

O mais importante é que a clínica médica tenha uma central com a padronização dos cadastros em questão. Por ter uma visão completas das áreas adequadas, é salutar que proceda dentro da criação de uma central.

O principal é que todos os departamentos sejam consultados, ou seja, médicos, enfermeiros e os demais setores em questão. Em resumo, é chegada a hora e o momento de ter organização para realizar os pedidos.

Para controlar o estoque hospitalar, procure que essa padronização seja realizada sob as premissas mostradas acima. Prestar atenção nesses detalhes é importante e faz com que o risco de existir algum problema diminua.

2- Crie um histórico sobre cada fornecedor

Possuir um estoque de qualidade é crucial e faz com que a unidade de saúde dependa diretamente de vários fatores. No entanto, é preciso saber que um deles é buscar ter um histórico atualizado sobre os seus fornecedores.

Vale lembrar que não basta apenas ter um bom relacionamento, pois o foco é registrar as informações e atualizá-las. Igualmente, é preciso que você anote quais são as melhores práticas do mercado e com os prazos inerentes.

Dica especial: procure criar uma espécie de padronização de solicitações e que mostre objetivamente quais são os pedidos. As condições devem estar descritas e o principal é que você encontre algo em comum com a outra parte.

Controlar o estoque hospitalar não pode ser visto apenas como comprar bem, porém ter soluções estratégias. Em suma, evite as perdas e aumente a receita, desde que esteja dentro que foi definido no início de todo o processo.

3- Invista em Cálculo de Parâmetro

Outra dica bastante útil é entender o momento correto para comprar os materiais que estão em falta dentro desse estoque. Ao mesmo tempo, todo item dentro dos estoques é um ativo circulante e deve ser entendido assim.

Se existir muitos materiais, saiba que existe um risco grande de gerar sobrecarga e não é algo positivo. Por outro lado, é necessário ter cuidado para que o estoque não fique baixo e possa existir uma falta de itens.

A dica principal é fazer um cálculo de parâmetro para que a instituição de saúde possa saber a quantidade mínima de materiais. Entretanto, é preciso descobrir o máximo de itens que podem ficar e sempre dividindo por material.

Caso exista alguma mudança, é possível estar com o estoque em equilíbrio e sem que maiores problemas possam acontecer. Uma das formas de manter o seu estoque em dia é não deixar itens em excesso ou mesmo em falta.

4- Considere sempre o que a Anvisa exige

Uma das dicas mais importantes para controlar o estoque hospitalar é prestar atenção no que a ANVISA exige. Do mesmo modo, a Agência Nacional de Vigilância sanitária é responsável por controlar os processos de estoques.

Cada tipo de medicamento ou item hospitalar, de acordo com o órgão, deve ser controlado por lote e validade. Além disso, o código de barra datamatrix também é uma exigência e o principal é seguir à risca esse tripé mostrado.

Atualmente, a Anvisa bloqueia um lote e é complicado, porque alguns sistemas de estoques podem dinamizar o processo de recolhimento. Ou seja, o sistema pode barrar a administração de um lote para esse paciente.

Ao ter um software que ajude nisso, a chance principal é de minimizar o erro de acontecer algum tipo de problema. Controlar o estoque hospitalar é a melhor opção para que tudo aconteça do modo correto e sem tantos riscos.

5- Organize o processo de compras

Por fim, é primordial citar que a criação de um sistema de organização é válido e é salutar saber disso. Assim, busque ter em mãos quais são as linhas e as marcas que cada fornecedor trabalho, facilitando o processo.

Na hora em que for realizada uma nova compra, o próprio sistema já mostra os fornecedores que estão disponíveis. A decisão de compra depende apenas de você mesmo e você pode decidir por meio de várias métricas.

Por exemplo: preço mais baixo, menor valor de frete, disponibilidade de envio, histórico do fornecedor, etc. A organização é primordial para que você possa encontrar a melhor opção disponível e possa realizar a compra.

Vale lembrar um fato: o sistema também permite que seja possível entender até a quantidade mínima de pedidos. Portanto, para qualquer tipo de clínica é necessário saber que o estoque deve ser atualizado da maneira correta.

A melhor opção é entender a importância que controlar o estoque hospitalar tem para que os resultados melhorem ainda mais. Juntamente com esse fato, lembre-se de colocar em prática e evitar possíveis problemas.